Neste tópico iremos somar informações ao padrão. Informações essas que devem ajudarnos a escolher o melhor APBT. O padrão é muito vago, portanto, juízes e proprietários não têm muitos detalhes para julgar se seu cão é adequado a raça. Todos os dados foram retirados do site www.apbtconformation.com, que interpreta o padrão da raça com um detalhamento preciso!

Temperamento

O temperamento é o aspecto mais importante a ser visto em APBT. O cão que não tem o temperamento característico deve ser descartado antes de qualquer julgamento sobre sua estrutura física.

O APBT deve demonstrar uma alegria de viver, deve parecer atento a qualquer movimento, esperando ver algo excitante, deve ser confiante e demonstrar muito afeto ao ser humano.

O aspecto confiante é essencialmente esperado no APBT.

Os filhotes podem mostrar um pouco de agressividade, mas nunca contra o ser humano.

Os adultos que demonstrarem medo ou agressividade devem ser descartados.

Os juízes não devem hesitar em descartar cães que demonstrarem medo ou agressividade ao ser humano. Devem entender que o temperamento é 80% da base genética destes cães. A raça passa por problemas sérios pela grande produção de cães com temperamento inadequado.

O APBT pode demonstrar uma agressividade a outro cão, isso é característico da raça, o que é diferente da agressividade a um ser humano. A agressividade a outro cão não deve ser obrigatoriamente demonstrada devido a sociabilização que o cão pode ter recebido, mas deve ser permitida sem nenhuma penalização.

Todos os proprietários e handlers devem cuidar para que seus cães não agridam outros cães fisicamente. Essa responsabilidade deve ser exigida e quando ignorada, deve ser penalizada.

Um APBT que demonstrar qualquer agressividade ao ser humano deve ser castrado ou até exterminado. Tal temperamento não condiz com as características da raça.

O APBT é uma raça marcada pelo entusiasmo que demonstra ao desempenhar suas atividades.

Um cão com falta grave e temperamento adequado deve ser preferido ao cão sem faltas porém, com temperamento inadequado.

O American Pit Bull é um terrier, e deve agir como terrier.

O APBT deve sempre demonstrar entusiasmo ao encontrar um ser humano, muitas vezes abanando a cauda, principalmente quando filhotes. Os cães mais velhos demonstram menos entusiasmo, porém mantém a atenção a todos os movimentos.

O APBT é um excelente companheiro da família e demonstram um notável amor pelas crianças.

Pelo fato do APBT demonstrar uma certa agressividade a outros cães e ter um físico poderoso, ele deve necessariamente ter um dono responsável, que faça um trabalho de sociabilização e obediência, para o seu convívio em sociedade.

O APBT não deve ser escolhido para guarda, pois ele deve ser extremamente dócil até mesmo com estranhos.

A cauda abanando deve ser esperada na apresentação dos cães.

Em caso de uma pessoa estranha agir de forma agressiva ao seu dono, o APBT, em último caso, deve proteger seu dono, porém são casos extremos e bem raros.

Peso x Altura

O APBT é um cão de porte médio. Nem grande nem pequeno. Deve estar entre 35 cm a 53cm de altura da cernelha ao solo.

Por uma razão errada, há quem prefira cães com 45 kilos, ou até 60cm de cernelha. A não ser que esses cães sejam extremamente proporcionais e corretos, eles não devem ser preferidos.

O APBT deve ser ao mesmo tempo ágil e poderoso, portanto, peso e altura são menos importantes que a sua correta proporção. Entretanto, há um peso e uma altura desejada, e ela não deve ser descartada. A altura deve estar entre 35 e 53 cm e o peso para machos de 15 a 27 kg e para fêmeas 13 a 23 kg. Cães com peso acima não devem ser penalizados, a não ser que sejam desproporcionalmente fracos ou molossos. Essa palavra proporcionalidade tem dado uma ampla interpretação e levado juízes a preferirem cães excessivamente grandes e ou pesados. Podemos dar uma margem ao peso e altura em relação a proporcionalidade, porém não fugir muito ao que é preferido.

Os aspectos entre fêmeas e machos devem ser diferentes. Devemos preferir fêmeas com aspectos de fêmeas e machos com aspectos de machos. Fêmeas masculinizadas não devem ser preferidas, assim como o inverso.

Os juizes devem usar uma fita métrica no julgamento e uma balança, para conferir os reais pesos e alturas dos cães a serem julgados.

Devemos buscar um cão extremamente musculoso e com ausência de gordura.

O maior problema de cães que fogem ao peso é a ausência de músculos ou ao excesso de gordura. A gordura devem ser descartada com maior significância que a ausência de músculo, porém, ambas não devem ser preferidas.

Deve se buscar musculatura, ausência de gordura e um condicionamento físico impecável, semelhante ao fisiculturismo humano.

– O APBT é um cão atlético.

O Corpo do APBT deve ter musculatura bem marcada, cintura, peito baixo, elasticidade, leveza nos movimentos, ser ao mesmo tempo musculoso e esguio, um corpo verdadeiramente atlético que o permita desenvolver diversas atividades de trabalho com plena facilidade e condicionamento.

Um cão atlético com faltas na conformação desempenhará melhor as funções que um cão gordo porém correto. Devemos preferir como prioridade a capacidade em desenvolver suas funções, depois sua conformação física.

Essas fêmeas mostram bem o aspecto atlético, com cintura e o contorno das costelas bem marcados, musculatura bem definida de ombro e posteriores e boas linhas de dorso e peitocintura. São modelos de cães bem condicionados.

Esse padrão é o aceito a UKC.

Esse excepcional físico que visa um mínimo de gordura, é preferido pela ADBA, American Dog Breeders Association, que em sua essência busca um cão extremamente funcional. Esse é um exemplo de APBT funcional com características que devemos buscar na raça.

Enquanto a AKC busca APBT/ASTs apenas por estrutura e a ADBA busca os históricos e funcionais APBT. A UKC tende a ficar entre os dois, buscando cães com características do legítimo APBT porem permitindo mais gordura, preferindo também a beleza na estrutura física.

Esse é um APBT/AST da AKC. Nos anos 70 a AKC passou a buscar um APBT apenas por estética, enquanto os outros ainda preferiam a funcionalidade. A UKC tenta preservar estética e funcionalidade e a ADBA apenas a funcionalidade.

Seguimos o padrão UKC no Brasil, portanto, devemos seguir as mesmas características.

O AST veio do APBT, portanto, poderia ser julgado como APBT, mas nunca preferido, pois não preserva as características básicas do APBT.

Por esse motivo vemos alguns cães com registro duplo na UKC.

Um AST preferido em julgamento nada tem em comum com um APBT que deva ser preferido.

O APBT é uma raça que combina força e atleticidade com graça e agilidade em seus movimentos, pouca gordura e boa musculatura.

O corpo deve ser ligeiramente mais longo que curto, sendo essa diferença maior em fêmeas.

Como medir altura e comprimento:

A figura mostra como medir. Os pontos brancos são pontos ósseos de referencia, não musculares. Os pontos da altura são : o ponto mais alto da escápula e o solo. E os pontos do comprimento são: o ponto do ombro onde o úmero encontra a escapula e o final do ísquio. As linhas verdes tem o mesmo comprimento. Esses ossos são importantíssimos para determinar angulações essenciais ao APBT.

Cabeça

O APBT é um cão extremamente proporcional, portanto a cabeça deve acompanhar o corpo e não ser exageradamente grande ou pequena. Uma cabeça grande ou pesada é menos preferida que a pequena ou leve. Se um cão tem uma cabeça pequena e movimentação correta, ele deve ser preferido a um cão com cabeça pesada e movimentos pesados.

Cabeça em formato de cunha com masseter bem marcado e leve aprofundamento entre na linha central do crânio, partindo entre as orelhas até o stop.

Machos com cabeças femininas não devem ser preferidos, assim como o inverso.

A cabeça é larga e de médio comprimento. Olhando de frente, ela deve medir de largura 2/3 da largura dos ombros.

Vista de lado, a linha do focinho é paralela a linha da testa, com leve stop.

A cabeça nunca deve ser pesada, pois é uma desvantagem ao cão que deverá carregar um peso excessivo para suas atividades.

A cabeça não deve conter muitas rugas, enrugando levemente a testa quando o cão presta atenção em algo. Isso inclui também o pescoço que não deve conter peles sobrando.

O focinho é ligeiramente largo e profundo, com leve alargamento no stop e leve afunilamento no nariz.

O Comprimento do focinho e menor que o comprimento do crânio em uma proporção de 2/3.

A linha superior do focinho é reta. A mandíbula inferior é bem desenvolvida.

Os lábios são justos, sem sobras.

Dentição

O APBT tem dentição completa com mordida em tesoura. Sendo composta por 12 incisivos, 4 caninos, 16 prémolares e 10 molares.

A falta de P4 deve ser mais penalizada que a falta de P3, que deve ser mais penalizada que a falta de P2, que deve ser mais que a de P1, que também não deve ser preferida. O grau de penalização segue o grau de importância dos dentes acima.

1 – oclusão de incisivos normal
2- visão lateral da oclusão normal
3- oclusão normal dos premolares
4 – linhas horizontais mostrando a oclusão correta
5 – mordida cruzada
6 – dentes baixos
7 – agnatismo, incisivos e caninos
8 – agnatismo pre molares
9 – pré molares baixos, enterrados

(Illustrations reprinted from Veterinary Dental Techniques; Steven Holmstrom DVM, Patricia Frost DVM, Ronald Gammon DVM; W.B. Saunders Company, 1992.)

– Incisivos para mordida
– Caninos perfurantes
– Pre molares cortantes
– Molares esmagadores.
– Devemos nos preocupar com toda a mordida, não só com a oclusão dos incisivos.

Corpo

O peito é profundo, largo e bem encaixado, com bom espaço para os pulmões e coração. Nunca pode ser mais largo do que profundo. O peito não deve passar muito a linha dos ombros. As costelas tem um formato arredondado entre a coluna e os ombros, dando o aspecto de profundidade, diminuindo seu diâmetro no sentido da cauda e aumentando na direção do peito.

As costas são firme e fortes. Declinam levemente no sentido da cauda.

A cintura é muito importante e indica o grau de condicionamento do cão. APBT com bom condicionamento deve ter uma cintura bem definida. O peito baixo mostra um maior espaço para pulmões e coração. Maior espaço para pulmões significa maior capacidade de ar, conseqüentemente, maior oxigenação, o que permite os músculos trabalharem por maior período sem fadiga. Portanto, a linha baixa, peitocintura, é muito importante para indicar um potencial atlético. A traseira é curta e forte, arqueada para baixo na inserção da cauda.

Anteriores e Pescoço

O pescoço deve ser levemente comprido e musculoso, levemente arqueado no topo. Alargase da cabeça aos ombros, sem sobras de pele ou rugas. Pescoços curtos, grossos ou finos demais não devem ser preferidos.

Esse é um arqueamento desejado. Perceba que a mandíbula inferior esta paralela ao solo com um leve arqueamento do pescoço.

A escapula (ombro) é larga, longas, bem musculadas e descontraídas. O úmero tem o mesmo comprimento da escapula e se juntam num ângulo de 90 graus.

A figura mostra as angulações anteriores corretas. A figura acima mostra as angulações de metacarpos correta, na figura, alta e fraca.

Os membros dianteiros são fortes e musculados, os cotovelos junto ao corpo e igualmente musculados. Visto de frente, os membros dianteiros são perpendiculares ao solo.

Qualquer característica diferente das citadas são consideradas faltas e não devem ser preferidas.

Posteriores

Os posteriores são fortes, musculosos e ligeiramente largos.

A largura dos ombros deve ser a mesma da traseira tendo um significativo estreitamento na cintura.

A figura mostra a angulação traseira desejada. A linha verde, que mostra o metatarso, deve estar perpendicular ao solo, e a linha azul, que acompanha a tíbia, deve estar a 45 graus do solo.

Para identificar a correta angulação, trace uma linha que parta do mais longo ponto da traseira em direção ao solo perpendicularmente ( 90 graus ). Ela deve se encaixar exatamente na frente das patas traseira em um cão bem angulado.

Uma correta e uma falta de angulação ( Ossatura )

Cães com boas angulações.

Olhando por trás do cão, deve se procurar um paralelismo de metatarsos

Correta e incorretas

Um cão bem angulado, um super angulado e um com falta de angulação.

Angulações

Angulações corretas

A linha azul, que sai do solo e segue a escapula, passando pela junção com o úmero, forma um ângulo de 90 graus com a linha verde, que sai da junção escapula x úmero e passa pelo cotovelo em direção ao solo. Elas criam a linha branca, que esta a 90 graus do solo e passa pelo cotovelo e o fim da escapula. O ângulo das linhas azul e verde em relação ao solo devem ser 30 e 35 graus, dependendo apenas da musculatura e da posição do cão. O mesmo se aplica aos posteriores, onde a linha azul se estende ao ponto mais alto do pélvis, passando pela ponta do fêmur em direção ao solo. Fazendo um ângulo de 90 graus, encontramos a linha verde que segue a linha do fêmur. Uma linha branca então é formada saindo do ponto mais alto do pélvis, passando pelo joelho, onde o fêmur encontra a tíbia e fazendo um angulo e 90 graus com o solo.

Os ângulos acima apontados, são iguais em relação ao solo.

Nariz e Olhos

Nariz

A trufa (nariz) pode ser de qualquer cor, sendo grande com largas narinas.

Olhos

Olhos tem tamanho médio, amendoados, proporcionalmente separados e postados ligeiramente na parte de baixo do crânio. Todas as cores são aceitas exceto o azul.

Orelhas e Patas

Orelhas

Orelhas devem ser em formato de rosa quando naturais ou amputadas.

Patas

Patas proporcionais ao tamanho do cão, bem arqueadas e justas. Patas espalmadas são desqualificantes.

As patas são essenciais para o desenvolvimento das atividades e são parte importante ao APBT.

Cauda e Pelagem

A Cauda é a extensão da coluna e quando o cão esta relaxado ela tende a se posicionar para baixo em direção ao jarrete.

Sua inserção é baixa e deve seu comprimento não deve passar o jarrete.

Em movimento, a cauda e levemente levantada seguindo a direção da coluna

Quando o cão esta excitado, ela pode levantarse a aproximadamente 45 graus sem penalizações, porem nunca cair sobre as costas do animal.

Pelagem

Pelagem deve ser curta, rente ao corpo, brilhante e suave. Nunca longa ou dura. Todas as cores aceitas exceto o arlequim. O branco é aceito e não deve ser penalizado, porem tende a ser menos desejado por propiciar a despigmentação.

Movimentação

Depois do temperamento, a movimentação é o mais importante dos aspectos.

Nela o APBT deve mostrar confiança, entusiasmo, coordenação, leveza. Os membros devem se lançar livremente, sem se tocarem ou cruzarem.

Note que as linhas laranjas indicam o alcance, e as linhas brancas indicam a movimentação ( elasticidade )

Aqui uma movimentação correta. O posterior alcança o anterior sem cruzar a linha central

Faltas típicas, no primeiro caso o cão não demonstra um paralelismo nos passos, pisando na linha central. No segundo, o cão não pisa os posteriores na mesma linha dos anteriores. No terceiro, não há um alcance dos posteriores em relação aos anteriores. No ultimo, há um ganho excessivo dos posteriores em relação aos anteriores.

Faltas

Leves:

– Orelhas naturais em pé
– Orelhas caídas

Medias:

– Cauda comprida ou curta demais
– Ombros para fora
– Ombros retos ou super angulados
– Ombros fechados
– Metacarpos projetados ou fracos
– Membros em arco ou abertos
– Patas espalmadas
– Focinho curto ou longo demais
– Lábios Sobressalentes
– Mandibula infeior fraca
– Mordida Torques
– Faltas ou excesso de pelos
– Pescoço muito curto ou muito fraco
– Barbelas e peles sobressalentes
– Falta de angulações

Faltas sérias

– Olhos azuis
– Membrana ocular visivel
– Olhos esbugalhados
– Olhos de cores diferentes
– Cauda em anzol ou sobre as costas
– Cauda Quebrada
– Prognatismo e Agnatismo
– Dentes tortos sem encaixe
– Falta dentaria
– Faltas Desqualificantes
– Agressividade ou medo ao ser humano
– Pelagem Arlequim
– Pelo longo
– Albinismo
– Cauda de Bulldogue (Bobbed Tail)
– Algumas ilustrações importantes sobre a anatomia de um APBT